3 de dezembro de 2015

'Bíblia de Hitler' cai em domínio público, e livrarias estudam venda


Você venderia a maior peça de propaganda nazista da história? Eis a questão a pairar sobre os maiores livreiros do país, desde que a Geração Editorial anunciou sua nova publicação: "Mein Kampf" ("Minha Luta"), misto de autobiografia e panfleto antissemita de Adolf Hitler (1889-1945).
O "clássico maldito" –definição do fundador da editora, Luiz Fernando Emediato– cai em domínio público em janeiro de 2016, 70 anos após a morte do ditador alemão, aos 56.
Por ora, seus direitos autorais estão nas mãos do Estado da Baviera, "herdeiro" da obra –Hitler não teve filhos, e sua editora, a Franz Eher Nachfolger GmbH, que publicava de romances a calendários para o partido nazista, foi extinta com o fim da Segunda Guerra.
Desde então, a praxe do governo local é desautorizar novas edições do livro. A partir de 2016, porém, quem quiser publicar, pode publicar. A própria Baviera lançará uma edição comentada (leia abaixo).


Divulgação
Hitler discursa ao lado Helldorf e Joseph Goebbels.Imagem do livro "Diarios de Berlim", editora Boitempo - Exclusivo Ilustrissima. crédito: divulgação ***DIREITOS RESERVADOS. NÃO PUBLICAR SEM AUTORIZAÇÃO DO DETENTOR DOS DIREITOS AUTORAIS E DE IMAGEM***
Hitler discursa ao lado Helldorf e Joseph Goebbels
Emediato quis. Ele ressalta o valor histórico do calhamaço que antecipa os horrores do Terceiro Reich –lá constam, em todas as letras, a aversão ao judaísmo (que carregaria em si "o fermento da decomposição") e a crianças deficientes ("só trarão a si mesmas e ao resto do mundo infelicidade e sofrimento"), por exemplo.
E quem exporia a "Bíblia nazista" nas prateleiras? É aí que o mercado editorial hesita.
A Livraria da Vila avisa que venderá o livro "quando estiver disponível no mercado" (a previsão é que em janeiro, com tiragem de 5.000 exemplares). A Saraiva diz que não comenta "estratégias comerciais", mas que "pensa seu sortimento de produtos de modo a contemplar todos os gêneros e categorias". A Amazon não respondeu até a conclusão desta edição –uma edição de 2014 do livro, contudo, já é encontrada no site, inclusive em versão para Kindle (US$ 1,65).
Fundada em 1947, por um casal de judeus imigrado da Alemanha, a Cultura afirma que essa "decisão comercial será discutida oportunamente". Por telefone, o herdeiro da livraria, Pedro Herz, se recusou a falar sobre o assunto.
Sócio da Travessa, Rui Campos vai primeiro analisar a nova edição, para aí decidir se a vende ou não. Eis seu dilema: a missão do grupo é "difundir" um "documento histórico" e "enfrentá-lo, desmitificá-lo". "Mas tenho a impressão de que [a obra] ultrapassou essa categoria, virou símbolo de ódio. Como a suástica."
Maria Luiza Carneiro, autora de "Holocausto, Crime contra a Humanidade" (Ática) e professora de história da USP, é contra a reedição do volume –que pode ser "bem-intencionado", mas servir de "munição" para o antissemitismo contemporâneo. Ainda que a obra seja pirateada a torto e a direito na internet, a venda em livrarias ajuda a pôr nos holofotes o ideário nazista, afirma.
A Centauro também lançará sua edição, na íntegra e sem qualquer contextualização histórica. Anos atrás, a editora já havia editado um volume, depois vetado pela Baviera.
Em 2007, a Justiça chegou a apreender 1.680 exemplares de outro lançamento do selo, "Os Protocolos dos Sábios do Sião", que relata um suposto plano de dominação mundial por judeus. Filho do fundador da Centauro, já morto, Almir Caparrós defende a escolha editorial feita pelo pai. "Ah, se ele concordava com os pensamentos de Hitler? Não. Simplesmente, ele via dinheiro."
PALHAÇO
Com mais de 700 páginas, a "Minha Luta" da Geração terá 305 notas de rodapé "contextualizando" as palavras de Hitler. São comentários de uma edição americana de 1939 feita sob supervisão do professor Alvin Johnson (cofundador da New School, de NY).
Para Emediato, é importante discutir a história, por mais feia que ela nos pareça –ou principalmente por isso. "Quando surgiu, Hitler era ridicularizado pela elite alemã. O palhaço virou o que virou."
"Minha Luta" foi a fagulha a pôr fogo nesse circo. O austríaco começou a escrever após ir para a prisão, em 1º de abril de 1924 –ele e outros nazistas haviam tentado dar um golpe na Baviera, que começou na cervejaria Bürgerbraükeller.
Até morrer, 21 anos depois, o Führer vendeu mais de 10 milhões de cópias de seu livro, que era distribuído de graça para alemães recém-casados.
Nem na Geração a publicação é ponto pacífico. Professor de direito constitucional da universidade Mackenzie, Flávio de Leão Bastos Pereira assinaria a introdução do livro. Desistiu. Alegou "motivos de ordem pessoal", embora reitere que "a falta de debate favorece a retomada de teorias políticas perigosas".
Um autor da casa escreveu a Emediato questionando o "valor cultural nulo" da obra. "Acho que é impossível conhecer Hitler através dele mesmo. Estamos falando da autopropaganda. Por isso precisamos de obras históricas, pesquisadas e críticas, para mostrar o que ele pensava e fez."
O que o Führer pensava e fez teve como saldo 50 milhões de mortes, seis milhões delas no Holocausto. Em "Minha Luta", ele já mostrara desprezo ao pacifista ("ele deixa passar em silêncio o mais sangrento estupro da nação") e à cultura judaica como um todo.
Escreve: "É preciso recordar que, para cada Goethe, a natureza emprega um truque sujo contra a humanidade ao lançar dez mil desses escrevinhadores lubrificantes da mediocridade, [...] que envenenam mentes do mundo inteiro."
Medíocre foi considerada a destreza artística de Hitler, que antes de ser nazista sonhava em ser pintor. Ele narra sua recusa na Academia de Belas-Artes. "O cavalheiro me assegurou que [meus] desenhos indicavam claramente minha falta de habilidade." Um livro seu com grandes imagens teria sido um mal menor.
*
O QUE DIZ HITLER EM 'MINHA LUTA' E como sua teoria foi posta em prática
Moda
"Se hoje a beleza física não fosse empurrada totalmente para o segundo plano pelas modas ditas elegantes, a sedução de centenas de milhares de jovens alemãs não seria possível por esses canalhas judeus nojentos e de pernas tortas. [...] Que os corpos mais belos e elegantes sejam encontrados a fim de presentear à pátria novos tipos de beleza para a próxima geração"
Hitler achava que a superioridade ariana estava sendo ameaçada por costumes judeus. 'Olympia', filme de Leni Riefenstahl sobre a Olimpíada de 1936 em Berlim, é o auge do culto ao corpo considerado perfeito pelo nazismo
Deficientes
"O que corresponderia aos mais nobres sentidos é que nossas igrejas cristãs, em vez de irem incomodar os negros com suas missões, coisa que os infelizes não querem e nem entendem, viessem ensinar à nossa humanidade europeia [...] que a obra mais digna de Deus para casais saudáveis consiste em dar a pobres crianças órfãs, porém sadias, um lar generoso [...], em vez de permitir a progenitores doentes colocar no mundo crianças deficientes que só trarão a si mesmas e ao resto do mundo infelicidade"
A Alemanha nazista criou o programa eugenista Ação T4, que previa o extermínio de deficientes 'incuráveis'
França
"O que a França, esporeada por sua própria sede de vingança, metodicamente acirrada e conduzida pelos judeus, está fazendo na Europa de hoje é um pecado contra a existência da humanidade branca, e algum dia inspirará contra aquele povo todos os espíritos vingadores de um gênero humano que reconhece na contaminação racial o pecado original da humanidade"
Hitler ocupou a França (que ajudou a derrotar o exército alemão na Primeira Guerra) de 1940 a 1944; em 'Minha Luta', o militante nazista aponta, 'dentro do futuro previsível', a Inglaterra e a Itália como 'possíveis aliados'
Pintura

Auktionshaus Weidler/AFP
This undated recent handout picture released on June 9, 2015 by the Nuremberg-based Weidler auction house shows a reproduction of a painting of Neuschwanstein Castle, a watercolor signed A Hitler. Watercolour paintings and drawings by Adolf Hitler from about 100 years ago are set to go up for auction in southern Germany between June 18 and 20, 2015, the auctioneers said on June 9, 2015. RESTRICTED TO EDITORIAL USE / MANDATORY CREDIT: "AFP PHOTO / AUKTIONSHAUS WEIDLER" NO MARKETING / NO ADVERTISING CAMPAIGNS / NO A LA CARTE SALES / DISTRIBUTED AS A SERVICE TO CLIENTS ORG XMIT: 1649 Aquarela pintada por Hitler, que na juventude sonhava em ser pintor
Aquarela pintada por Hitler, que na juventude sonhava em ser pintor
"Meu pai ficou praticamente sem fala. 'Quer ser pintor? Você quer ser artista?' Ele questionou minha sanidade, talvez acreditando não ter escutado bem ou entendido mal"
Desde pequeno Hitler sonhava em ser pintor, plano frustrado quando um 'cavalheiro' da Academia de Belas Artes lhe assegurou: 'Os desenhos que eu apresentara indicavam claramente minha falta de habilidade'


 

Nenhum comentário:
Write comentários

Visualizações

Minhas Páginas

04

04

02

08

03

07

03

03

04

05

05












08

Tradutor

"Play Aperte Aqui"